(21) 2436-0800 - (24h)

Os cuidados com a vacinação fazem parte dos cuidados que todos os tutores precisam ter com seus pets. Assim como os humanos são vacinados logo ao nascer e também no decorrer da vida, os cães e os gatos precisam passar por essas etapas para evitar doenças que podem colocar a vida deles e a de outros animais em risco.

Antes de tudo, é importante saber que cada pet tem suas necessidades e o cronograma de vacinas não é igual para todas as espécies. Por isso, nunca dê vacinas sem orientações especializadas e muito menos em locais que não tenham um profissional veterinário para receitar e aplicar as doses. 

Para lhe ajudar a oferecer uma vida saudável e cheia de cuidados para seu amigo de quatro patas, nós preparamos um guia completo com tudo que você precisa saber sobre a vacinação. Vamos conferir?

Vacinação em cães: quais as principais e quando vacinar?

Como mencionamos, cada espécie tem seu calendário específico de vacinação. No caso dos cães, as aplicações das vacinas começam 30 dias após o nascimento do filhote.

O intervalo entre as vacinações pode mudar de acordo com as orientações de cada veterinário, mas ele sempre deve informar quando é a data da próxima aplicação e registrar na carteirinha do animal. 

Mas não pense que acabou por aí! Algumas vacinas, como a múltipla e a anti-rábica, precisam receber doses de reforço anualmente. Por isso, é tão importante que tudo esteja registrado na carteira de vacinação

É natural que o cão apresente um comportamento diferente nas primeiras 24h de qualquer aplicação de vacina, pois o organismo ainda está assimilando a substância. Ele pode ficar mais quieto, preguiçoso, apático. No entanto, se isso demorar mais de 24h ou apresentar febre, procure o veterinário.

Mas e para os gatos o processo é todo diferente? Mais ou menos. Continue lendo e vamos explicar tudo!

Vacinação em gatos: quais as principais e quando vacinar?

Apesar do processo de vacinação ser bem semelhante, o tipo das vacinas e o calendário indicado para as aplicações muda um pouco entre cães e gatos. No caso dos gatos, a primeira aplicação pode ser feita com 8 ou 9 semanas de vida, após o desmame. Isso pode variar de acordo com o tipo de ambiente em que o gato vive e com as atividades que ele realiza. Por isso, recomenda-se que seja feita uma consulta com veterinário para avaliar o felino e para indicar o melhor plano de vacinação.

As doenças combatidas com as vacinações dos gatos são: complexo respiratório, panleucopenia e raiva. Para iniciar as vacinações, é necessário que o gato esteja com boa saúde e desparasitado. É interessante que ele também realize um teste de leucemia felina e imunodeficiência felina antes de tomar a primeira dose.

De modo geral, a vacinação segue o seguinte cronograma:

Após completar o cronograma, também é necessário realizar algumas aplicações anuais de reforço, seguindo as datas que foram registradas na carteirinha de vacinação do gato.

Meu pet foi adotado e não tenho informações sobre as vacinas. E agora?

Fique tranquilo! Essa situação é mais comum do que imaginamos. Felizmente, muitos cachorros e gatos têm sido adotados de canis ou resgatados diretamente das ruas, em que eles recebem a oportunidade de finalmente ter um lar com cuidados e amor. Nessa situação, não tem como o tutor saber se esse animal recebeu todas as doses de vacina e, principalmente, se ele está em boas condições de saúde.

Caso o seu pet faça parte desse cenário e você não saiba a procedência de suas vacinas, é indispensável procurar um veterinário e realizar todos os exames para garantir que o sistema imunológico esteja saudável para receber as vacinas e aplicar as doses necessárias de acordo com a orientação do profissional. Só assim você poderá garantir a imunização do novo membro da família e permitir que ele viva saudável e feliz em seu novo lar. Isso deve ser feito antes de colocá-lo em contato com outros animais da casa.

Depois disso, é só aproveitar para levar o seu cão para conhecer o mundo! Veja algumas orientações sobre os passeios…

Quando posso sair com meu pet de casa?

Apenas após a aplicação de todas as vacinas, o seu cão ou o seu gato estará totalmente protegido e poderá passear no quintal, na rua, nos parques ou ir ao petshop. Antes da vacinação, o ideal é que não saia com ele de casa e não deixe ele ter contato com nenhum ambiente externo. Caso tenha outro animal em casa, mantenha-os separados nesse período.

Vale lembrar que não é indicado nem passear com o animal no colo, kennel ou carrinho para pets. É normal ter a falsa sensação de que o pet está protegido nessas circunstâncias, mas qualquer contato com o ambiente externo é imprevisível e pode afetar a saúde dele. 

Levar aos petshops, às creches ou às hospedagens é ainda mais perigoso sem ter completado todas as doses da vacinação. Afinal, esses lugares recebem diversos animais todos os dias, portanto o risco de contrair doenças é ainda maior.

Fique de olho na carteirinha!

Depois de cumprir todas as etapas de vacinação, é muito importante ficar sempre de olho na carteirinha de vacinação do seu cão ou do seu gato. Ela vai lhe ajudar a lembrar quando é a data dos próximos reforços e também de outras medicações, como vermífugo, anti-pulgas e desparasitação. 

Sempre solicite ao veterinário que preencha a data de aplicação e a da próxima dose na carteirinha, assim você tem um registro válido de que a imunização do seu pet está em dia. Isso pode ser solicitado ao frequentar locais como pet friendly, creches, hospedagens ou para viajar de avião.

Outra dica é manter a carteira de vacinação em local visível para que você sempre se lembre de checar e para que não perca nenhuma data. Muitas pessoas escondem a carteira em uma pasta no meio de uma pilha de documentos e, quando lembram que ela existe, descobrem que as vacinas estão atrasadas e que o animal está correndo riscos. Não deixe isso acontecer!

Lembre-se: algumas cidades ou alguns estados exigem doses extras de vacinas, devido a maior incidência de alguma doença específica na região. Outro fator importante é que, se o animal já apresentar alguma doença, é necessário que ela seja tratada antes de aplicar as doses. 

A melhor forma de garantir que todo esse processo seja feito de forma segura, simples e saudável é consultando um médico veterinário e seguindo todas as suas orientações. Ele vai analisar cada caso individualmente e aconselhar o melhor plano e cronograma para o seu pet.

Aqui na UPA PET, temos profissionais especializados e vacinas de qualidade e procedência com atendimento 24h por dia todos os dias na semana. Para atendimento clínico e para vacinação, não é necessário agendamento; já o atendimento emergencial, é feito de imediato e casos com menos gravidade são feitos por ordem de chegada.

Os cuidados com a vacinação fazem parte dos cuidados que todos os tutores precisam ter com seus pets. Assim como os humanos são vacinados logo ao nascer e também no decorrer da vida, os cães e os gatos precisam passar por essas etapas para evitar doenças que podem colocar a vida deles e a de outros animais em risco.

Antes de tudo, é importante saber que cada pet tem suas necessidades e o cronograma de vacinas não é igual para todas as espécies. Por isso, nunca dê vacinas sem orientações especializadas e muito menos em locais que não tenham um profissional veterinário para receitar e aplicar as doses. 

Para lhe ajudar a oferecer uma vida saudável e cheia de cuidados para seu amigo de quatro patas, nós preparamos um guia completo com tudo que você precisa saber sobre a vacinação. Vamos conferir?

Vacinação em cães: quais as principais e quando vacinar?

Como mencionamos, cada espécie tem seu calendário específico de vacinação. No caso dos cães, as aplicações das vacinas começam 30 dias após o nascimento do filhote.

O intervalo entre as vacinações pode mudar de acordo com as orientações de cada veterinário, mas ele sempre deve informar quando é a data da próxima aplicação e registrar na carteirinha do animal. 

Mas não pense que acabou por aí! Algumas vacinas, como a múltipla e a anti-rábica, precisam receber doses de reforço anualmente. Por isso, é tão importante que tudo esteja registrado na carteira de vacinação

É natural que o cão apresente um comportamento diferente nas primeiras 24h de qualquer aplicação de vacina, pois o organismo ainda está assimilando a substância. Ele pode ficar mais quieto, preguiçoso, apático. No entanto, se isso demorar mais de 24h ou apresentar febre, procure o veterinário.

Mas e para os gatos o processo é todo diferente? Mais ou menos. Continue lendo e vamos explicar tudo!

Vacinação em gatos: quais as principais e quando vacinar?

Apesar do processo de vacinação ser bem semelhante, o tipo das vacinas e o calendário indicado para as aplicações muda um pouco entre cães e gatos. No caso dos gatos, a primeira aplicação pode ser feita com 8 ou 9 semanas de vida, após o desmame. Isso pode variar de acordo com o tipo de ambiente em que o gato vive e com as atividades que ele realiza. Por isso, recomenda-se que seja feita uma consulta com veterinário para avaliar o felino e para indicar o melhor plano de vacinação.

As doenças combatidas com as vacinações dos gatos são: complexo respiratório, panleucopenia e raiva. Para iniciar as vacinações, é necessário que o gato esteja com boa saúde e desparasitado. É interessante que ele também realize um teste de leucemia felina e imunodeficiência felina antes de tomar a primeira dose.

De modo geral, a vacinação segue o seguinte cronograma:

Após completar o cronograma, também é necessário realizar algumas aplicações anuais de reforço, seguindo as datas que foram registradas na carteirinha de vacinação do gato.

Meu pet foi adotado e não tenho informações sobre as vacinas. E agora?

Fique tranquilo! Essa situação é mais comum do que imaginamos. Felizmente, muitos cachorros e gatos têm sido adotados de canis ou resgatados diretamente das ruas, em que eles recebem a oportunidade de finalmente ter um lar com cuidados e amor. Nessa situação, não tem como o tutor saber se esse animal recebeu todas as doses de vacina e, principalmente, se ele está em boas condições de saúde.

Caso o seu pet faça parte desse cenário e você não saiba a procedência de suas vacinas, é indispensável procurar um veterinário e realizar todos os exames para garantir que o sistema imunológico esteja saudável para receber as vacinas e aplicar as doses necessárias de acordo com a orientação do profissional. Só assim você poderá garantir a imunização do novo membro da família e permitir que ele viva saudável e feliz em seu novo lar. Isso deve ser feito antes de colocá-lo em contato com outros animais da casa.

Depois disso, é só aproveitar para levar o seu cão para conhecer o mundo! Veja algumas orientações sobre os passeios…

Quando posso sair com meu pet de casa?

Apenas após a aplicação de todas as vacinas, o seu cão ou o seu gato estará totalmente protegido e poderá passear no quintal, na rua, nos parques ou ir ao petshop. Antes da vacinação, o ideal é que não saia com ele de casa e não deixe ele ter contato com nenhum ambiente externo. Caso tenha outro animal em casa, mantenha-os separados nesse período.

Vale lembrar que não é indicado nem passear com o animal no colo, kennel ou carrinho para pets. É normal ter a falsa sensação de que o pet está protegido nessas circunstâncias, mas qualquer contato com o ambiente externo é imprevisível e pode afetar a saúde dele. 

Levar aos petshops, às creches ou às hospedagens é ainda mais perigoso sem ter completado todas as doses da vacinação. Afinal, esses lugares recebem diversos animais todos os dias, portanto o risco de contrair doenças é ainda maior.

Fique de olho na carteirinha!

Depois de cumprir todas as etapas de vacinação, é muito importante ficar sempre de olho na carteirinha de vacinação do seu cão ou do seu gato. Ela vai lhe ajudar a lembrar quando é a data dos próximos reforços e também de outras medicações, como vermífugo, anti-pulgas e desparasitação. 

Sempre solicite ao veterinário que preencha a data de aplicação e a da próxima dose na carteirinha, assim você tem um registro válido de que a imunização do seu pet está em dia. Isso pode ser solicitado ao frequentar locais como pet friendly, creches, hospedagens ou para viajar de avião.

Outra dica é manter a carteira de vacinação em local visível para que você sempre se lembre de checar e para que não perca nenhuma data. Muitas pessoas escondem a carteira em uma pasta no meio de uma pilha de documentos e, quando lembram que ela existe, descobrem que as vacinas estão atrasadas e que o animal está correndo riscos. Não deixe isso acontecer!

Lembre-se: algumas cidades ou alguns estados exigem doses extras de vacinas, devido a maior incidência de alguma doença específica na região. Outro fator importante é que, se o animal já apresentar alguma doença, é necessário que ela seja tratada antes de aplicar as doses. 

A melhor forma de garantir que todo esse processo seja feito de forma segura, simples e saudável é consultando um médico veterinário e seguindo todas as suas orientações. Ele vai analisar cada caso individualmente e aconselhar o melhor plano e cronograma para o seu pet.

Aqui na UPA PET, temos profissionais especializados e vacinas de qualidade e procedência com atendimento 24h por dia todos os dias na semana. Para atendimento clínico e para vacinação, não é necessário agendamento; já o atendimento emergencial, é feito de imediato e casos com menos gravidade são feitos por ordem de chegada.

Autor: Dr. Felipe Teles, Médico Veterinário Responsável UPAPET.